TRIP – ÁFRICA DO SUL NOVEMBRO 2010!

5 07 2010

A viagem para a ÁFRICA DO SUL, com amigos, finalmente irá acontecer!

Nosso roteiro é especial e exclusivo conta com safáris, praias, esportes radicais (bungee jump, tirolesas!), cavalgadas, vinhos e noite!

Pôr do sol na savana by Erik Sadao

Quando?
NOVEMBRO 2010

Duração da viagem
11 DIAS

Regiões visitadas
. 3 NOITES NO KRUGER PARK – INCLUINDO TODOS OS SAFÁRIS E TOUR PANORAMA ROUTE

. 2 NOITES EM JEFFREYS BAY/GARDEN ROUTE – INCLUINDO ATIVIDADES COMO CAVALGADA

. 1 NOITE KNYSNA/PLETTENBERG BAY/TSITSIKAMA PARK – INCLUINDO PARADA NO BUNGEE JUMP; TIROLESA (CANOPY TOURS); KNYSNA ELEPHANT PARK

. 3 NOITES EM CAPE TOWN – INCLUINDO TOUR DA PENINSULA (CAPE POINT E CABO DA BOA ESPERANÇA); VINÍCOLA DE CONSTANTIA; TRANSPORTE PARA PONTOS TURÍSTICOS (TABLE MOUNTAIN; PRAIAS, WATERFRONT, VIDA NOTURNA)

Quanto?
Consulte: info@epontomarketing.com.br

O que está incluído?
. PASSAGENS AÉREAS
. TRANSPORTE NA ÁFRICA DO SUL
. REFEIÇÕES E ATIVIDADES DESCRITAS NO ITINERÁRIO (DAY BY DAY)
. SEGURO VIAGEM
. ASSESSORIA NO AEROPORTO
. GUIA FALANDO PORTUGUÊS (SADAO) DURANTE TODA A VIAGEM
. MOCHILA

…ROTEIRO “DAY BY DAY”

DIA 1 – São Paulo a Johanesburgo
Vinhos à bordo do voo para entrar no clima!

Partiremos de São Paulo, no voo da South African Airways, com destino à Johanesburgo, o coração econômico da África do Sul. O voo terá duração de 8 horas e, como partiremos em direção ao Kruger National Park logo apos a chegada, é recomendado descansar durante a viagem.

Fica a dica: A SAA é famosa por causa da grande variedade de vinhos sul-africanos à bordo. Aproveitem!

DIA 2 – Johanesburgo – Kruger Park
Botando o pé na África!

Chegaremos em Johanesburgo pela manhã e, apos os processos de imigração e alfândega, partiremos em direção ao famoso Kruger National Park. A viagem será feita em confortáveis vans e terá duração de aproximadamente 8 horas. No caminho, faremos paradas em pontos selecionados para café da manhã. A chegada ao simpático lodge Thornhill está programada para às 15h40. Logo apos a chegada, será servido um almoço. O resto do dia será livre para descansarmos, afinal, nossa aventura pela savana sul-africana começa bem cedo pela manhã!

Refeições incluídas: almoço e jantar
Serviços incluídos: transporte entre Johanesburgo e o Kruger Park/Thornhill
Acomodação: Thornhill Lodge

Fica a dica: Na chegada ao lodge Thornhill, não deixem de pedir uma savana – a cidra mais famosa do país é ótima para relaxar e faz muita gente dançar em cima da mesa!

DIA 3 – Kruger National Park
Explorando um dos parques nacionais mais famosos do mundo!

Safari by Guilber Hidaka

Nosso primeiro dia de safáris será no Kruger National Park, provavelmente, o parque nacional mais famoso do mundo. O parque tem uma área equivalente ao tamanho da Bélgica e reúne abundante vida selvagem. Leões, girafas, rinocerontes, gnus, empalas e todos os animais que imaginamos quando pensamos na África estarão lá, vivendo em seu habitat natural. Preparem as máquinas fotográficas!
A partida para o Kruger National Park será bem cedo, antes do nascer do sol, e o café da manhã será servido em um piquenique montado no meio do parque. Será uma verdadeira aventura e viajaremos em um veículo Land Cruiser adaptado com cobertura, que permitirá ângulos ótimos para fotos para todos.
Para almoçar, faremos uma parada em um dos inúmeros campings do Kruger National Park que contam com várias opções de restaurantes. Retornaremos ao lodge Thornhill ao final do dia para jantar e descansar para mais um dia de aventura! Um pequeno lual, à beira da piscina do lodge, será montado para nós. Levem seus iPods carregados com boas seleções para uma festa na savana!

Refeições incluídas: café da manhã e jantar
Serviços incluídos: transporte e safáris
Acomodação: Thornhill Lodge

Fica a dica 1: Para o safári no Kruger Park, não esquecer de levar protetor solar, óculos de sol e a câmera com bateria 100% carregada. Por causa do clima da região, é aconselhável levar um agasalho para as primeiras horas da manhã. Arrase no modelo!

Fica a dica 2: Assim que vocês começarem a pesquisar sobre safáris, perceberão que existe uma obsessão pelos Big Five (leão, leopardo, búfalo, rinoceronte e elefante). A expressão surgiu quando os ingleses começaram a cultura de safári de caça no continente africano. Os “big five” eram considerados os animais mais perigosos de se caçar e, hoje em dia, os mais difíceis de se fotografar. Não se esqueça que um safári é muito mais do que ver só os “big five”. A experiência é mais rica quando se está aberto a perceber os sons, os cheiros e o visual da savana que encantam os sentidos o tempo todo.

DIA 4 – RESERVA PRIVADA THORNHILL/THORNYBUSH
Adrenalina na savana: safári a pé e em carros abertos no melhor estilo off road!

Safari by Hilder Guidaka

Assim que nascer o dia, partiremos em uma expedição à pé pela reserva privada do Thornhill. Os experientes guias são membros da tribo Shangaan, uma das nove tribos da África do Sul, e nos ensinarão sobre técnicas de sobrevivência na savana. Preparem-se para ver empalas, girafas, gnus e até búfalos a uma curta distancia. A área do Thornhill não tem animais predadores, por isso, não precisamos nos preocupar com leões ou leopardos. O nosso safári a pé terá duração de 2 horas e o café da manhã será servido no retorno ao lodge.
O resto da manhã será livre para aproveitarmos a piscina. O nosso almoço será servido no próprio lodge e antes do pôr do sol partiremos um safári feito em carro aberto na famosa reserva privada Thornybush. Este é o safári mais emocionante que faremos já que sairemos da estrada e entraremos na savana no melhor estilo “off road”. Estaremos a poucos metros de uma enorme quantidade de animais e tenho certeza de que vocês terão uma das melhores experiências de suas vidas, além da oportunidade de tirar fotos incríveis!
Apos o safári, teremos alguns minutos para descansar. Um jantar “boma” – semelhante aos que os caçadores que inventaram os safáris faziam -, será servido para nós, ao redor de uma fogueira.

Refeições incluídas: café da manhã, almoço e jantar
Serviços incluídos: transporte e safáris
Acomodação: Thornhill Lodge

Fica a dica 1: Aproveitem para conversar ao máximo com os guias Shangaan. Os membros das tribos são o melhor caminho de se conhecer a África do Sul.

Fica a dica 2: O safári em uma reserva privada é bem diferente do que faremos no Kruger Park e as chances de vermos os “Big Five”, em um curto espaço de tempo, são bem maiores!

DIA 5 – KRUGER NATIONAL PARK – JOHANESBURGO – JEFFREYS BAY
Bye bye, Kruger Park! De um dos canyons mais lindos do mundo direto para uma das praias mais incríveis da África!

Logo após o café da manhã, partiremos do lodge Thornhill, bem cedo, em direção à Johanesburgo. No caminho, teremos a oportunidade de explorar a “Rota Panorâmica”, que tem como maior atração o cânion Blyde River e a cordilheira Drakensberg. Do topo das montanhas da região teremos uma visão panorâmica da savana sul-africana e de grandes lagos. Poderemos fazer um passeio de barco pelo Blyde River (opcional).

Panorama Route – Blyde River Canyon

A nossa viagem até Johanesburgo terá duração de aproximadamente 10 horas, por isso, chegaremos ao aeroporto da cidade ao final do dia.
Apos a chegada ao aeroporto, partiremos no voo com destino à cidade de Port Elizabeth, a primeira parada da famosa “Rota Jardim”. O voo terá duração de aproximadamente 1 hora e 20 minutos e logo apos a chegada em Port Elizabeth, partiremos rumo a Jeffreys Bay – uma das mecas do surf mundial localizada a somente 40 minutos de Port Elizabeth.

Jeffreys Bay by Flavia Kawazoe

Em Jeffreys Bay vamos nos hospedar no Island Vibe, o lugar mais animado da cidade. Para o jantar, escolheremos um dos restaurantes da cidade.

Refeições incluídas: café da manha
Serviços incluídos: transporte entre o Thornhill até Johanesburgo; tour “Panorama Route”; transporte entre Port Elizabeth e Jeffreys Bay.
Acomodação: Island Vibe Jeffreys Bay

Fica a dica 1: A comida mexicana de Jeffreys Bay é conhecida em toda a África do Sul!

Fica a dica 2: A região entre Port Elizabeth e Cape Town é famosa por causa da tribo Xhosa, a mesma de Nelson Mandela (que nasceu em Port Elizabeth). Pesquise!

DIA 6 – JEFFREYS BAY
Praia, compras e cavalgada em dos cenários mais lindos do país!

Logo após o café da manhã, vamos sair para explorar a cidade de Jeffreys Bay. Visitaremos a famosa praia Super Tubes, conhecida como a onda de direita mais rápida do mundo, que é o cenário do campeonato de surf da cidade, realizado em julho.
Um outro ponto que vale uma parada é o Billabong Village, um grande centro com lojas de fábrica das marcas de surf e esportes mais famosas do mundo.
Vamos almoçar em um dos restaurantes da cidade e teremos tempo de curtir uma das praias por algumas horas, antes de partirmos para uma cavalgada em um dos cenários mais paradisíacos da África do Sul!

Visual da cavalgada em Jeffreys Bay!

Seguiremos até uma fazenda da cidade onde os nossos instrutores de montaria estarão aguardando. Apos uma breve instrução sobre o passeio, partiremos à cavalo por uma região com grande variedade de paisagens. Vegetação abundante e pequenos animais, como cervos do mato, poderão ser observados no caminho que ainda reserva surpresas como grandes dunas de areia e, o melhor, a praia dos pingüins por onde cavalgaremos ao por do sol!
Jantar e festa no Island Vibe.

Refeições incluídas: café da manhã
Serviços incluídos: transporte na cidade; tour por Jeffreys Bay; cavalgada na praia
Acomodação: Island Vibe Jeffreys Bay.

Fica a dica 1: Os nossos quartos no Island Vibe estão localizados na praia dos golfinhos. Aproveitem para acordar cedo para ver os golfinhos “surfando” nas ondas.

Fica a dica 2: A água em Jeffreys Bay é bem gelada mas, para os mais corajosos, ao menos um mergulho é necessário. Coragem!

Fica a dica 3: Caso vá se jogar nas compras no Billabong Village, não se esqueça de dar uma olhada nas mochilas para laptops e malas de viagem. Os preços são incríveis. Oakley, Billabong, Quicksilver, Element e várias outras marcas com preços até 80% mais baratos do que no Brasil.

Fica a dica 4: Mesmo quem nunca andou a cavalo pode participar da cavalgada. Para assaduras, hipoglós e afins!

DIA 7 – JEFFREYS BAY – KNYSNA
Quem encara o maior bungee jump do mundo?

Apos o café da manha, seguiremos em direção a Kysna, a principal cidade da chamada “Rota Jardim”, trajeto que estaremos percorrendo entre Port Elizabeth até Cape Town. No caminho, vamos passar por cidades charmosas como Plettenberg Bay, onde poderemos almoçar. Logo apos o almoço, seguiremos para o Tsitsikama Park, um parque nacional conhecido pelos esportes radicais. Tirolesas em árvores suspensas a mais de 70 metros e o maior bungee jump do mundo, com 216 metros de queda livre, nos aguardam!

Face Adrenalin: O maior bungee jump do mundo!

Bloukrans Bridge, onde está instalado o bungee jump

Os que não quiserem, literalmente, se jogar no bungee jump, poderão passar a tarde no parque e tomar alguns drinks em um dos pubs/restaurantes que dão vista para a ponte Bloukrans, onde está instalado o bungee jump. Através de um telão, é possível ver a cara de pavor de quem está saltando.

Após os saltos, partiremos em direção ao Island Vibe de Knysna, onde passaremos a noite. Para o jantar, vamos escolher um dos restaurantes do Waterfront de Knysna, um píer que concentra parte da vida noturna da cidade.

Refeições incluídas: café da manhã
Serviços incluídos: transporte entre Jeffreys Bay e Knysna; tour pelo Tsitsikama Park
Acomodação: Island Vibe Knysna

Fica a dica 1: A espera para saltar de bungee jump é pior do que o salto. Por isso, se estiver em dúvida, se jogue!

Fica a dica 2: Knysna é conhecida como a cidade favorita dos sul-africanos e as ostras são a especialidade dos restaurantes.

DIA 8 – KNYSNA – CAPE TOWN
Cruzando a Rota Jardim em direção a uma das cidades mais lindas do mundo, Cape Town!

Apos o café da manhã, partiremos em direção à Cape Town. Há duas atrações que sempre recomendo nesta parte do país. Uma é o Knysna Elephant Park – um parque que permite aos visitantes o contato direto com elefantes. A outra é a tirolesa (Canopy Tours) do parque Tsitsikama – bem menos radical do que o bungee jump, é uma atividade divertida para se fazer em grupo e a única maneira de ver o interior do parque Tsitsikama.

Kynsa Elephant Park: pertinho, pertinho dos elefantes!

Tirolesa no Tsitsikama!

O caminho entre Knysna e Cape Town leva cerca de 5 horas para ser percorrido. Estamos programando a chegada em Cape Town apos o anoitecer. Em Cape Town, iremos direto para o nosso hotel para nos acomodarmos e relaxarmos um pouco antes de sair pela cidade. Vamos jantar em um dos restaurantes do Cape Quarter, o quarteirão mais charmoso da cidade!

Refeições incluídas: café da manhã
Serviços incluídos: transporte entre Knysna e Cape Town; tour pelo Tsitsikama Park
Acomodação: Sundown Manner

Fica a dica: Roupas leves e um casaco vale para todos os dias. Na chegada à Cape Town, a temperatura pode cair um pouco.

DIA 9 – CAPE TOWN
Descobrindo Cape Town!

Apos o café da manhã, vamos dar uma volta pelos principais pontos da cidade. Depois de uma visita ao centro histórico e a pontos turísticos como o Waterfront – o píer que concentra lojas e principais restaurantes da cidade -, e o Bo Kaap – espécie de pelourinho formado pelos descendentes de escravos vindos da Malásia -, vamos partir em direção à Table Mountain, o cartão postal oficial do país.

Waterfront e Table Mountain by Flavia Kawazoe

Da montanha, partiremos pela costa de Cape Town com direito a parada para o “sundowner” (drinks ao pôr do sol) no La Med, na praia de Clifton. O La Med tem um dos visuais mais privilegiados da praia e, não raramente, alguém pulando de parapente da montanha Lion’s Head pousa bem na frente do restaurante. A vista inclui ainda a praia de Camps Bay.

De Camps Bay, voltaremos para a cidade e, apos um passada no hotel para banho e troca de roupa, partiremos em direção à Long Street, um dos pontos mais agitados de Cape Town, que concentra grande parte da vida noturna (e jovem) da cidade. Apos o jantar, daremos uma passada nos bares de electro e rock alternativo da Long Street pra lembrar do Baixo Augusta!

Refeições incluídas: café da manhã
Serviços incluídos: tour por Cape Town; transporte até a Table Mountain e região das praias de Clifton e Camps Bay; transporte noturno
Acomodação: Sundown Manner

Fica a dica 1: Do alto dos 1087 metros da Table Mountain é possível uma visão panorâmica de toda a cidade. Leve um casaco!

Fica a dica 2: O Watefront é um dos principais pontos turísticos de Cape Town. Quem quiser, pode voltar para comprar e explorar o píer em qualquer tempo livre.

DIA 10 – CAPE TOWN
Virando o Cabo da Boa Esperança!

Este será o dia mais completo da viagem. Sairemos do hotel bem cedo, logo apos o café da manhã, e partiremos em direção a península do Cabo para conhecer pontos como o Cape Point, que dá nome a cidade, e o famoso Cabo da Boa Esperança. No caminho, uma passada na Ilha das Focas (em Kalk Bay) e outra na Praia dos Pingüins, em Simons Town. A cidade de Simon’s Town é uma das mais legais da região. Vamos parar nela para almoço antes de “virarmos o cabo!”

Boulders Beach, a praia dos pinguins!

No retorno, faremos uma parada na vinícola mais antiga da cidade, Constantia, onde faremos uma degustação de vinhos. Diz a lenda que Napoleão levava sempre um carregamento de vinhos de Constantia em suas batalhas. A vinícola é constantemente citada nos livros (e filmes, rs!) de Jane Austen, alguém leu/viu Orgulho e Preconceito?

Degustação de vinhos em Constantia, a vinícola mais antiga da África do Sul

Ao final do dia, retornaremos ao hotel. Uma festa de despedida surpresa pelo circuito independente da cidade é só o que posso contar sobre a noite.

Refeições incluídas: café da manhã
Serviços incluídos: tour Cape Point e Cabo da Boa Esperança; transporte até Constantia; transporte noturno
Acomodação: Sundown Manner

Fica a dica 1: Os preços e os vinhos de Constantia são incríveis. Faça como Napoleão!

Fica a dica 2: No Cabo da Boa Esperança e no Cape Point há grande presença de babuínos. Não invente de fazer amizade!

Fica a dica 3: Em Simons Town é possível nadar com os pingüins já que a água é bem mais morna do que em Camps Bay. Se estiver interessado em nadar, leve toalha e roupas de banho! Não dá pra fazer a naturista nesta praia.

DIA 11 – CAPE TOWN
Goodbye South Africa!

No nosso último dia na cidade, teremos a manhã livre. Quem quiser, pode dar uma última passada no Waterfront, na Long Street ou em Camps Bay.
Apos o almoço, partiremos para o aeroporto de Cape Town para embarque no voo (duração de 2h40) com destino à Johanesburgo.
Em Johanesburgo, faremos conexão para o nosso voo com destino a São Paulo. O voo de volta terá duração de 10 horas.
Refeições incluídas: café da manhã
Serviços incluídos: transporte em Cape Town; transporte até o aeroporto

Fica a última dica: O freeshop de Johanesburgo é um dos melhores pontos para compra de artesanato, presentes, lembrancinhas e bibelôs. Explore!

Anúncios




Mais perguntas e respostas!

15 04 2010

De Gabriel, que irá estudar em Cape Town!

Vou estudar em capte town(14 semanas). Ficarei 7 semanas em residencia e 7 em casa(pois nao tinha mais vaga). Comecam as aulas proxima segunda.
Estou levando em torno de 1500 dolares por mes + carta de credito(alimentacao,transporte lazer). é razoavel?
Levarei 4000 rands em $$$ e o resto deixo na conta do banco do brasil ou compro o visa travel money?
obrigado,
Abraços,
Gabriel

RESPOSTA:

Oi, Gabriel!
Peço desculpas pela demora…Estava viajando e não tive tempo de acessar o blog.

Cara, o dinheiro é suficiente sim. As refeições em Cape Town são baratos e, com o passar dos dias, você vai aprender como fazer (onde ir etc.) para economizar.
Não deixe de viajar e tentar fazer um safári. Há opções para mochileiros no Kruger bem bacanas que não custam muito.

Eu costumo sempre aconselhar a deixar o dinheiro na conta e sacar em moeda local, sempre que necessário. Certifique-se que o seu banco não te cobra muitas taxas, ok?

Abração e divirta-se aí em Cape Town!
Erik





Mais perguntas: Vou estudar em Cape Town e estou na dúvida entre Casa de família ou Residencia Estudantil…

31 03 2010

oi erik,
obrigado pela resposta.
eu irei para escola good hope studies la em cape town,fiquei sabendo que é uma das melhores la, vou fazer um curso de 1 mês com moradia em casa de familia por 1 mês tb, pagarei um valor de U$1.499, esta um valor rasoável ou nao?gostaria de saber se 1 mes estudando ingles nessa escola eu consigo melhorá-lo muito, visto que meu ingles é intermediário.
depois desse tempo qual o melhor lugar para ficar, seria uma casa estudantil?e qual melhor barrio?levando em conta que o orçamento é apertado.
em realaçao á trabalho é facil arrumar la?

que bom que vai la pra la tb, qual período estará la?:

att, Tiago

RESPOSTA

Oi, Tiago!
Cara, eu peço desculpas por ter demorado tanto para responder…estava meio corrido aqui. Vários projetos!
A Good Hope é realmente uma ótima escola, muito popular entre os brasileiros. Por isso, tome cuidado e tenta se forçar a falar inglês o tempo todo. Brasileiro quando estuda fora e encontra outro brasileiro começa a falar português e não para mais.

O seu nível vai ser analisado na escola e, após uma prova, eles irão te encaixar em uma turma. Dependendo do seu rendimento, você pode mudar de sala até 4 vezes em um mês (4 semanas).

Em Cape Town, eu sempre recomendo as residencias estudantis. São mais divertidas do que as casas de família. O problema todo é que na casa de família você deverá respeitar os horários da família para jantar. Os sul-africanos tem horários mais rígidos do que a gente aqui. Já ouvi muitas reclamações de brasileiros que ficaram em casa de família. Na residencia você pode coordenar os seus horários e ficar até mais tarde com os amigos etc.

Se você já tiver o visto de estudante que permite o trabalho é relativamente fácil encontrar algo. A própria escola costuma indicar os estudantes a restaurantes e outros lugares que contratam estudantes.

Devo estar por lá em maio e depois em junho/julho, por causa da Copa.

Cheers, ERIK SADAO





Um dos maiores fotógrafos de natureza do Brasil explora a África do Sul!

30 03 2010

Entre janeiro e fevereiro, tive o privilégio de passar 25 dias explorando a África do Sul ao lado de um dos melhores fotógrafos de natureza do Brasil, o Araquém Alcântara.

Acompanhar o cara nesta viagem foi um grande aprendizado. Apesar de já ter liderado grupos e mais grupos de agentes de viagem e de jornalistas em viagens pela África do Sul e outros países do continente, “trabalhar” com o Araquém foi muito especial.

De tudo o que vivemos, vou me lembrar pra sempre da cara de apaixonado pela profissão que o Araquém faz toda vez que clica um animal e do domínio da técnica e grau de exigência com tudo. “Se eu fizer uma foto por dia, esta viagem terá sido uma das mais produtivas”. – me disse logo no primeiro dia de viagem.

O Araquém já deu a volta ao Brasil mais de uma vez. Explorou e registrou nossa gente, nossos animais e a nossa vegetação. Seu trabalho é reconhecido internacionalmente. Suas fotos, ao contrário de tantas que se produzem por aí, emocionam, tem vida e marca própria.

Vimos cenas assim, a pé.

Ter o privilégio de “mostrar” o país África do Sul para este grande conhecedor do Brasil e, ainda, poder ouvir as histórias e inevitáveis comparações com os animais da fauna brasileiras fizeram o tempo voar. E, ver o processo criativo deste gênio e conhecer um pouco mais sobre a história sua história de vida foi um dos pontos altos da minha carreira.

As fotos desta viagem serão lançadas no próximo mês em um livro da editora Abril.
Ajudei a legendar as imagens e tive acesso a uma prova do livro. Me arrisco a dizer que serão as melhores fotos já tiradas na África do Sul por um fotógrafo brasileiro.

Em ano de Copa, um dos projetos mais especiais já bolados no Brasil!

Cheers,
ERIK SADAO





De volta! (mas ainda correndo!)

30 03 2010

Quando viajei para a África do Sul em janeiro, achei que teria tempo de postar todos os dias uma coisa ou dica nova aqui. Durante a viagem, comecei a escrever textos e uma série de notas que serviriam de material para este blog. O meu sonho era fazer um diário de viagem atualizado todos os dias só que a coisa toda começou a ficar tão corrida que não tive tempo de enviar nada mais que dois posts.

Uma pena, a viagem que fiz teve um roteiro bem rico, com vários dias em cidades como Cape Town, Durban e mais de 10 dias de safári nos parques Kruger, Hluluwe/Imfolozi e na reserva de conservação Sanbona.

Não tive nem tempo de responder aos comentários aqui (que já foram devidamente atualizados) ou as perguntas deixadas no Formspring. Juro, estava MUITO ocupado!

Também não sabia ao certo se podia contar sobre o projeto que estava participando. Mas acho que agora, às vésperas do lançamento, não tem problema.

Conto no próximo post…

Cheers,
ERIK SADAO





MAIS PERGUNTAS!

30 03 2010

PERGUNTA:

Olá Erik.
Em outubro deste ano eu estarei indo para Cape Town para fazer um intercâmbio e estudar inglês na Good Hope Studies. E claro, a partir do momento que decidi ir para a África do Sul, venho pesquisando tudo sobre o país, e mais precisamente sobre Cape Town.
Então só queria lhe parabenizar pelas importantes informações que vc tem postado tanto no seu blog como em outro site em que vc responde há inúmeras perguntas. Com certeza suas respostas as dúvidas de outras pessoas tem me ajudado muito.

Att. Marcelo

Resposta:

Oi, Marcelo! Tudo bem?

Que bom que decidiu pela África do Sul. A Good Hope Studies é uma ótima escola. Conheço os diretores e a representante aqui no Brasil há muitos anos!

Conte comigo para o que precisar e boa sorte em Cape Town!

Cheers,
ERIK

Responder





RESPONDENDO A UMA PERGUNTA SOBRE CAPE TOWN!

30 03 2010

De Tiago:

oi Erik,

tenho 20 anos e eu e mais 2 amigos meus estamos indo para CAPE TOWN em dezembro desse ano, ficaremos 7 meses. iremos por uma agencia para podermos trabalhar la e fazer tb um curso de ingles.
gostaria de saber em relação a acomodação, quando que será o gasto mensalmente, quanto custa um curso de ingles, se la é facil para aprender o ingles, gostaria tambem de saber os costumes dos sulafricanos se tem algo especial que devo remediar.
o trabalho ainda nao arrumei, mais no final no ano terei uma resposta,por isso gostaria de saber qual o tipo de trabalho esperar por la?e ainda uma media de salário.
espero que voces possam me ajudar.
desde ja agradeço,
Tiago

RESPOSTA:

Oi, Tiago! Tudo bem?

Que bacana que você irá morar um tempo em Cape Town. Sete meses é tempo suficiente para conhecer o país a fundo!

Os seus gastos mensais dependerão dos serviços que você irá contratar já aqui no Brasil. Ex. Caso você esteja viajando com a acomodação reservada para todo o período, é certo que não terá muitos gastos com alimentação.

A África do Sul é 30% mais barata que o Brasil. Considere este “desconto” para tudo o que for fazer. Para a comida, que no nosso país já não é cara, a África do Sul é ainda mais generosa.

Os cursos de inglês são calculados por semana. Em média cada curso custa uns 200 dólares por semana. Há cursos mais baratos e mais caros, de acordo com o gosto e necessidade do freguês!

Quanto aos costumes, não há nada especifico que você deva aprender. Acho até que, um dos grandes baratos da viagem é “sacar” isso durante o tempo que você irá ficar por lá.

Cada canto da África do Sul tem costumes diferentes. Você estará morando em uma das cidades mais bacanas e cosmopolitas do mundo, a Cidade do Cabo. Por isso, o seu choque cultural será bem baixo.

Os trabalhos renumerados para estudantes são, na maioria, na indústria de hospitalidade. Desde hotéis a restaurantes. Não espere fazer dinheiro para trazer, ok? São trabalhos em que você irá ganhar o suficiente para comer e viver. O ideal é que você tenha como se manter sem depender dos trabalhos.

Avise se tiver mais dúvidas e volte sempre!

Devo passar pela cidade durante o tempo em que vocês estarão por lá!

Cheers,
ERIK SADAO