E se nossa maneira de ver o Atlas fosse diferente?

16 12 2009

Imagine virar o mundo de cabeça pra baixo…

Pegue um Atlas daqueles que usávamos para aprender geografia na escola e vire-o de cabeça para baixo. Imagine que, ao virar o livro, toda a riqueza das potências economicas do hemisfério norte fossem transferidas para o continente africano. O mundo, como conhecemos, mudaria completamente socio-culturalmente. De repente, os países da África passariam a ditar as tendências de cultura, moda e comportamento como toda grande fortaleza econômica. A África teria tanto poder que ajudaria os países pobres da Europa e os Estados Unidos.

Esta idéia foi utilizada pela agência sueca DDB em uma campanha para a famosa grife de roupas, a italiana Diesel. Premiada com vários Leões de Ouro no Festival de Propaganda de Cannes de 2001, a campanha sempre foi uma das minhas maiores inspirações. Só para constar, eu não acho que uma inversão de papéis entre o hemisfério norte e o sul seria a solução para os problemas do mundo.

De campanhas contra a fome na América à organização de um “Live Aid“, com artistas africanos, para ajudar as vítimas da pobreza na Europa, a campanha trazia sempre um trecho de um jornal, o “The Daily Africa“, que era um convite à reflexão sobre o mundo tal qual conhecemos.

Além do tom politizado, os anúncios da campanha “Diesel: The Daily Africa” tinham uma estética muito africana, sem apelar para o kitsch. Foi a primeira vez que eu tive contato com uma “África Pop” – termo muito explorado pelo povo da moda que “descobriu” o continente anos depois.

Veja abaixo algumas artes criadas para a Diesel:

Virando o mundo de cabeça para baixo ainda mais…

Estudava publicidade na época e lembro de ter escrito uma “continuação” para esta campanha. No hemisfério sul, onde estava concentrada toda a riqueza do mundo, três países ditavam as regras: a África do Sul, a Austrália e o Brasil.

O resultado era um “imperialismo brasiliense” que tentava, com muita pressão, empurrar garganta abaixo dos países mais pobres sua cultura tropical, já que o Brasil era a maior economia e potência bélica do mundo. A Austrália era a maior produtora de tudo que é manufaturado, principalmente eletrônicos bacanas, sempre estampando um cangaru como selo. E a África do Sul era, assim como na campanha criada pelos suecos, o maior expoente de moda, cultura e comportamento.

Há vários sites legais especializados em publicidade com as artes criadas para a “Diesel: The Daily Africa”. Clique aqui para ver o da Cloribus.

Cheers,
ERIK SADAO

Anúncios

Ações

Informação

4 responses

17 12 2009
Analu

Estou amando este blog!!! Congrats!

17 12 2009
africanizese

Oi, Ana! São seus olhos! ;o)
Bj, Sadao

19 12 2009
Eliane Barzilay

Olá Erik,

Muito legal a idéia!

Parabéns

21 12 2009
africanizese

Oi, Eliane! Volte sempre e, o melhor, traga perguntas, dúvidas, sugestões e até posts, se quiser!
Um beijo, Erik

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: